Os quadrinhos espanhóis não engancham

Mortadelo e Filemón

Nesta mesma semana vimos o interessante relatório publicado pela Associação Cultural Tebeosfera (ACyT) em que um grande número de fatos interessantes sobre quadrinhos na Espanha, entre os quais chama a atenção de forma excelente que apenas 20% das histórias em quadrinhos que os espanhóis lêem têm a cunho de um autor espanhol.

Apesar deste número, o mundo da banda desenhada em Espanha goza de boa saúde e, acima de tudo e mais importante, está estabilizado. Em 2013, o mundo dos quadrinhos nos deu 2.453 novidades.

De todas as novidades 40% vêm dos Estados Unidos, 15% da Ásia e 13% de vários países europeus. 12% é atribuído a diferentes países do mundo e os restantes 20% é a contribuição da Espanha e que mencionamos antes.

Outro dado que chama a atenção no relatório é que 95,67% dos quadrinhos publicados são em espanhol, deixando muito pouco espaço para os quadrinhos em inglês ou outras línguas. A presença no mercado da banda desenhada em algumas das outras línguas co-oficiais existentes em Espanha diminuiu muito e é cada vez mais difícil encontrar uma banda desenhada em catalão ou galego.

Dentre os formatos em que se encontram histórias em quadrinhos, o formato livro continua se destacando com grande destaque, que com 1.771 publicações (72,2%) continua sendo o mais dominado pelo mercado, seguido de longe pelos quadrinhos (16,97%. ) e revistas (5,25%).

Os quadrinhos ainda gozam de boa saúde na Espanha, embora infelizmente a maioria deles não tenha um espanhol como autor, embora o tempo em que se não fosse um produto criado em território espanhol fosse muito distante em nosso país, não teve interesse de jeito nenhum.

Você é um leitor regular de quadrinhos?Bem, então queremos saber a sua opinião e principalmente o que você leu e como leu. Você pode fazer isso através dos comentários neste post, em nosso fórum ou em alguma das redes sociais em que estamos presentes.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

5 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Mikij1 dito

    Eu amo Mortadelo e Filemón 🙂

  2.   Joaquin Garcia dito

    Bem, acho que o declínio dos quadrinhos de autores espanhóis se deve ao fato de que muitos o têm como algo pejorativo. Com isto quero dizer que muitos pensam que não é uma leitura de qualidade e não a recomendam ou não lêem. No entanto, eu os amo. As críticas que Ibañez faz às notícias da Espanha são muito boas.

  3.   seg dito

    Acho que os quadrinhos espanhóis estão viciados na única coisa que não há mercado aqui (ainda há muitas pessoas na Espanha que pensam que os quadrinhos são para crianças) e esses autores, em sua maioria, têm que trabalhar no exterior. No momento o que estou gostando mesmo são os quadrinhos Bonelli que estão sendo publicados em nosso país: Dampyr, Tex, Zagor etc.

  4.   Joaquin Garcia dito

    Isso é o que você diz, Mon, é o que quero dizer; As pessoas acreditam que ler uma história em quadrinhos não é nada sério, que é uma perda de tempo, etc ... todos os conceitos pejorativos, quando uma criança (por exemplo) aprende da mesma forma lendo Mortadelo e Filemón como "El Pollo Pepe "(para citar um título) e claro que os adultos podem ler quadrinhos perfeitamente, o que acontece é que eles têm essa concepção. É uma pena porque existem quadrinhos muito bons, não só os mencionados por Mon ou os da sua vida, mas outros que mal sobrevivem.

  5.   Paul dito

    Olá,

    No meu caso, parei de ler Mortadelo y Filemón há muitos anos, embora tenha crescido com esses quadrinhos. Com o passar do tempo, preferi passar para um gênero mais "sério", como o catálogo de Norma.

    Enfim, da Espanha, se eu li BlackSad.

    Atenciosamente,

    Pablo.